Inconstâncias

Estou bem. Estou calma e em paz. Olho pela janela e vejo o sol a brilhar. Percebo que é exactamente assim que me sinto: luminosa, radiante, poderosa… Sim, isso mesmo. Poderosa!

Lembro-me de ti e sinto-me forte, nada me pode abalar, nada me pode deitar abaixo, porque tu estás aqui e isso é suficiente. Tenho tudo! Mas o ser humano é inconstante. Agora estamos bem, mas… E daqui a um minuto? Ainda o estaremos?!
Um gesto na hora errada, uma palavra menos acertada, pode mudar tudo. Tudo o que queremos, o que pensamos, o que sentimos. Mais

Home Cinema’s para o povo!

Nos últimos dias tem-me feito alguma “comichão”  assistir ao mais recente spot publicitário a passar em televisão, com assinatura da financeira Cofidis. De tal forma que decidi expressar publicamente as razões dessa mesma comichão.

Em primeiro lugar, para os leitores que não estão familiarizados com o dito anúncio, importa fazer uma breve contextualização. Trata-se de um anúncio em que aparece uma mulher, aparentemente mãe de família, expressando o seu gosto e interesse por cinema e as consequentes dificuldades que encontra para se dirigir a uma sala de cinema com regularidade. Perante este cenário, a solução que esta mulher de família encontrou foi recorrer a um crédito pessoal para a aquisição de um sistema de home cinema. Esta surge como uma solução milagrosamente perfeita e a mais vantajosa de todas, contando, obviamente, com a seriedade da financeira em causa.

Mais

Há fome em Portugal

Se o Pingo Doce diz “venha cá”, os portugueses vão! Há oito dias que não se fala de outra coisa, ou seja, da promoção levada a cabo pelo Pingo Doce no passado dia 1 de Maio e que levou milhares de pessoas às lojas, provocando o caos.

Na comunicação social ouvem-se os ecos que nos permitem perceber que esta promoção tomou proporções gigantescas, superando, até, as expectativas dos próprios administradores do grupo Jerónimo Martins.

Para a maioria dos senhores que têm a oportunidade de aparecer na televisão a dizer de sua justiça, foi uma acção condenável, um abuso, uma falta de respeito. Tudo coisas negativas.

Mais

Iluminação de Natal: uma esperança para quê?!

Hoje, este espaço vai ser dedicado ao espírito natalício ou, neste caso, à falta dele. A actual crise económica que vivemos obrigou a que muitas autarquias, um pouco por todo o Portugal, abdicassem das iluminações de Natal ou, pelo menos, que as alterassem em relação ao que era habitual até então.

Esta decisão tem causado alguma contestação, mas as opiniões dividem-se. Na passada Segunda-feira, numa notícia da SIC, os turistas expressavam descontentamento pela ausência do espírito natalício na cidade de Lisboa. Recorde-se que, este ano, Lisboa não tem as habituais luzes de Natal um pouco por toda a cidade, uma vez que estas deram lugar a uma decoração mais simples em alguns pontos da cidade, como na Praça da Figueira, no Rossio ou no Marquês de Pombal. No total, são sete os locais decorados por sete artistas portugueses.

Mais

Organismos + Públicos = (In) eficiência

Estou de volta à “antena” para relatar mais uma situação insólita – ou talvez não! – da minha vida. Desta feita, o principal protagonista é o Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres (IMTT), que é um organismo público responsável, entre outras coisas, pela emissão dos títulos de condução.

No final do ano passado fiz a minha inscrição numa escola de condução para a obtenção do título de condução, o que veio a acontecer em Maio do presente ano.

Mais

Previous Older Entries

Estatísticas

  • 3,527 Visitas

Entradas Mais Populares

%d bloggers like this: